Home » noticias e eventos » Como cuidar da pele negra para evitar espinhas, manchas e afins

Como cuidar da pele negra para evitar espinhas, manchas e afins

Assim como cada tipo de cabelo pede por cuidados específicos, as diferentes tonalidades de pele têm singularidades que exigem atenção especial. A pele negra, por exemplo, é mais suscetível a manchas, espinhas e pelos encravados. Vamos aprender a cuidar bem dela então?

Manchas e acne
A pigmentação escura se deve à maior quantidade de melanina presente nas células da cútis. Essa proteína é responsável por colorir e proteger a derme contra os raios solares. A questão é que, quando você machuca a pele ou se queima (falaremos de proteção solar mais para a frente), o corpo produz doses extras de melanina para aumentar a proteção no caso de uma nova ferida. E, na pele negra, esse fenômeno deixa as manchas mais pigmentadas.

A dermatologista Katleen Conceição, chefe do primeiro ambulatório de dermatologia para pele negra, da Santa Casa do Rio de Janeiro, explica que essas marcas se tornam mais comuns e visíveis por outra particularidade da derme escura: a maior presença de espinhas. Calma que a gente explica. As glândulas sebáceas do rosto de uma pessoa negra costumam ser maiores e mais ativas. Para quem não conhece, essas estruturas liberam uma espécie de sebo que protege a pele. Só que, em excesso, essa oleosidade favorece infecções e, consequentemente, a acne.

E o que isso tem a ver com as manchas? Ora, a pessoa que cutuca espinhas acaba machucando a pele. Daí desencadeia aquele processo de pigmentação – são as manchas pós-acne. Katleen indica o uso de sabonetes antioleosidade à base de ácido glicólico e ácido salicílico como forma de controlar a produção de sebo. Para cuidar da derme manchada, consulte seu dermatologista. Ele irá prescrever um creme clareador adequado, de acordo com suas individualidades.

Não esqueça do protetor
Talvez você já tenha ouvido por aí que negros não precisam passar filtro solar porque não se queimam facilmente com os raios ultravioleta. Pois saiba que isso é uma meia verdade. De fato, a incidência de câncer de pele é menor nessa turma devido a elevada quantidade de melanina. Ainda assim, o uso do protetor é necessário para diminuir ainda mais o risco de sofrer com ela. “A utilização de protetor com, no mínimo, FPS 30 também é importante para evitar e melhorar possíveis manchas”, complementa Katleen.

Por que os pelos encravam?
A foliculite, uma inflamação dos folículos pilosos, é comum, já que os pelos encravam com mais facilidade. E atenção, homens: isso ocorre principalmente na barba. “Como o fio é mais encarapinhado ou encaracolado, ele enrola e acaba não conseguindo perfurar a superfície da pele”, justifica a dermatologista. Fora isso, o corpo, diferentemente do rosto, é naturalmente mais seco. Essa aridez, por sua vez, dificulta o crescimento do pelo. Para escapar da chateação, não deixe de beber água, usar cremes hidratantes e manter a lâmina de barbear limpa. Ah, e evite usar roupas apertadas – o atrito pressiona os folículos e aumenta o risco dos pelos crescerem para dentro.

Tratamento estético só com especialistas
Para tentar fugir das marcas escuras ou do encravamento, você pode recorrer a procedimentos como peelings e depilação à laser. Eles estão liberados, mas tenha muita cautela. “Essas técnicas devem ser feitas apenas com dermatologistas especialistas, pois o risco de queimaduras, manchas e cicatrizes é alto”, alerta Katleen. Procure estabelecimentos que trabalhem com tratamentos específicos para a pele negra.


Fonte: Saúde