Home » noticias e eventos » Trabalhos mostram avanços no tratamento nas doenças de pele
pele

Trabalhos mostram avanços no tratamento nas doenças de pele

Os desenvolvimentos registrados na área da dermatologia, tanto no âmbito nacional quanto no internacional, são vitais para a melhoria da qualidade do serviço prestado aos pacientes. Novas descobertas de doenças, como psoríase, eczemas, câncer da pele, além de recentes terapêuticas, como laser, fototerapia e terapia celular e genética, traçam um novo caminho para os dermatologistas. Visando acompanhar essa evolução, a equipe do jornal  fez uma pesquisa no acervo da biblioteca em busca de  teses e dissertações que abordam o mesmo tema, mas publicadas por especialistas da SBD em épocas distintas. 

Foram encontrados trabalhos de relevo internacional, como a dissertação Análise sorológica para Helicobacter pylori em amostra de pacientes com rosácea: um estudo de casos e controles, apresentada em 1998 à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e a tese A expressão imuno-histoquímica das metaloproteinases-2 e -9 da matriz na rosácea inflamatória, defendida em 2003, também na UFRGS, ambas de autoria do editor assistente dos ABD, Renan Bonamigo, sob a orientação de Lucio Bakos.
 
“Os anos de 1990 foram uma época em que a bactéria avaliada era citada como um dos possíveis fatores desencadeadores da  rosácea. Nosso estudo  não demonstrou isso, mas ressalvou que o uso de antibióticos sistêmicos prévios poderia ter modificado o efeito dessa possível associação. Ainda hoje, alguma controvérsia persiste sobre o assunto, mas certamente houve o reconhecimento de que a infecção pelo H. pylori não é fator fundamental para o desenvolvimento da rosácea, quiçá um elemento agravante em determinados pacientes. 
 
O estudo foi publicado no Journal of European Academy of Dermatology and Venereologyy, em 2000. Prosseguindo os estudos sobre a doença, a tese obteve resultados demonstrativos de que a rosácea possui entre seus mediadores importantes, a MMP-9, e que esta é secretada por células inflamatórias e  fibroblastos dérmicos, em particular na presença do  Demodex folliculorum. Os resultados desse estudo foram publicados no Journal of European Academy of Dermatology and Venereology, em 2005, e os dados paralelos, como os fatores de risco e a frequência dos subtipos, publicados em nossos Anais Brasileiros de Dermatologia, em 2008.”
 
Segundo Bonamigo, a rosácea continua sendo muito investigada, por se tratar de dermatose com gênese multifatorial, crônica e que impacta a qualidade de vida dos pacientes. “O reconhecimento de agentes etiológicos e mediadores patogênicos permitiu que as opções de diagnóstico complementar e de tratamentos específicos – bloquedores ou inibitórios, como as ciclinas que agem nas metaloproteinases – fossem mais bem-compreendidas e adequadamente empregadas no auxílio aos pacientes”, disse ao jornal.
 
Urticária
O dermatologista Paulo Criado avalia as  principais mudanças científicas e evoluções no tratamento da urticária entre 2002, quando publicou a dissertação Resposta inflamatória na urticária aguda desencadeada por exposição a medicamentos: estudo ultraestrutural (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo – Iamspe), e 2007, ano em que defendeu a tese A resposta inflamatória na urticária aguda associada a medicamentos: avaliação imunoistoquímica e imunoeletrônica da unidade microvascular da derme (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo),
ambos trabalhos sob orientação de Cidia Vasconcellos: “A urticária, especialmente a  forma crônica, continua sendo um desafio a pacientes e médicos. Em nosso mestrado, encontramos evidências morfológicas da interação entre mastócitos, linfócitos e dendrócitos da derme. Com o doutorado, os estudos de imunoistoquímica e imunoeletrônica permitiram demonstrar essa relação celular ativa com a fagocitose de grânulos extruídos dos mastócitos pelos dendrócitos dérmicos”, relatou. 
 
No início de 2001, segundo Criado, a urticária crônica ainda era extensamente investigada em relação a suas possíveis etiologias, à procura de agentes infecciosos, neoplásicos, reumatológicos subjacentes. “Ao longo dessa década, as investigações amplas foram sendo limitadas a uns poucos casos, cujos anmnese e exame físico direcionavam essas condutas de investigação. Tornou-se cada vez maior um corpo de evidências demonstrando que entre 50 e 60% das urticárias crônicas apresentam autorreatividade,  que pode ser atribuída a  fenômenos autoimunes. 
 
Introduziu-se o teste do soro autólogo na identificação desse subgrupo de doentes autorreativos, e em casos refratários indica-se em terceira linha terapêutica a associação dos anti-histamínicos com agentes imunossupressores como ciclosporina A ou gamaglobulina endovenosa, ou, mais recentemente, imunobiológicos como o Omalizumab. Na Europa, os consensos de tratamento de urticária crônica da Academia Europeia de Alergia e Imunologia passaram a adotar para os casos refratários aos anti-histamínicos de segunda geração em doses habituais, o uso de doses duplicadas, triplicadas ou mesmo quadruplicadas desses agentes. Apesar dos grandes avanços observados nos últimos 20 anos, a urticária continua uma verdadeira síndrome, com ampla etiologia possível e tratamento complexo e diversificado, além de constituir tema a ser cientificamente explorado”, explicou ao JSBD. 
 
Sua dissertação resultou no estudo The inflammatory response in drug-induced acute urticaria: ultrastructural study of the dermal microvascular unit, publicado no Journal of European Academy of Dermatology and Venereologyy, em 2006. A tese também deu origem a estudos publicados em outros periódicos  estrangeiros, como o Journal of European Academy of Dermatology and Venereology, Israel Medical Association Journal (IMAJ) [online], além dos ABD.
 
Fonte: Jornal SBD 2013,Ano17, n1